25 de outubro de 2016

Deixando de Nadar para aMAR

Deixando de Nadar para aMAR

Não tenha medo de entrar em uma nova relação só porque você já se afogou uma ou duas vezes. Eu sei que foi a um tempo atrás, e se ficou para trás é porque já virou passado. Entenda que você só não precisa pular de cabeça, vai com calma e lembre-se que é um dia de cada vez. Segura a ansiedade no peito, respire fundo e mergulhe devagar.

Mas saiba antes de tudo que nem sempre a piscina vai te dar pé, e isso é um risco que você e até mesmo eu temos que correr. Infelizmente, não tem como adivinhar, mas eu queria que tivesse como... Em outras vezes, e que acontece muito frequentemente, é que a piscina é rasa demais, nesses casos você pode bater com força no chão de pedra e isso dói, ahhh dói tanto.

Olha não vou mentir pra você, a vida não é feita de bóias mas uma hora a gente aprende a nadar, na marra mesmo. Acaba sendo algo que tem tudo a ver com o nosso instinto de sobrevivência e nos tornamos nossos próprios salva vidas. E quando a gente acha que conhece tudo, esse tudo muda e saímos da piscina para entrar no mar. É como dizer que estamos crescendo em matéria de relacionamentos e faz todo sentido, não faz? Deixar de nadar, para aMAR.

Você já reparou, eu sei que já. Sempre nos apaixonamos tipo como o mar, que esteve lá o tempo todo com as suas ondas que vem e vão e que te puxa para dentro sem você perceber. Quando a gente se dá conta da realidade, estamos todos molhados e é nesse momento que já foi.. e ninguém percebeu, você não percebeu.

E o pior de tudo (mas que também é o melhor, eu acho) é que não sabemos onde acaba ou onde começa, e nem sabemos o que está por vir. É um monte de confusão e calmaria ao mesmo tempo. Não tem mais chances de se agarrar na areia da praia, e o salva vidas pode nem aparecer pra gente. Mas veja o lado bom, é sempre refrescante quando a água gelada bate nas costas para tirar o arder do sol quente, te limpa a alma, renova a vida e te faz sentir alguma coisa.

(perdoa os clichês, perdoa as metáforas,
perdoa minha forma de não saber demonstrar)

4 comentários:

  1. Muito bom o texto e a associação. Não achei cliche, sério mesmo. Achei verdadeiro, pois infelizmente esse medo de amar e de se envolver ainda existe e muito. As pessoas ainda perdem muito com isso :(
    Abraço! :)

    Red Behavior

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Awn que bom que não acho clichê, xuxu. Sabe que fiquei super preocupada com isso antes de postar? Deve ser neura minha. Mas você tá certa, as pessoas acabam mesmo perdendo com isso! :/

      Excluir
  2. Não achei nada clichê haha adorei o texto. É bem triste o que o mundo se tornou, né? Mas eu tenho esperanças que a nossa geração ta com a cabeça no lugar certo, como você acaba de demonstrar <3

    Rosto de Neve ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Awwn que prazer imenso é ver você aqui, xuxu. ♥
      Eu super ganhei o meu dia quando vi seu comentário, adoro teu blog!
      Awn obrigada, eu espero também, torço muito por isso na verdade! <3

      Excluir

© SEIS MIL MILHAS - 2014. ♥ Todos os direitos reservados.
Criado por: SARAH LYNN. ♥ Tecnologia do Blogger.