20 de março de 2017

Resenha: Monstros, fantasmas e anjos


Sempre gostei muito de livro de fantasia, aqueles que vêm embolado com um mistério e me deixa cheia de curiosidade para desvendar até chegar à última página. E é por esse motivo que Monstros, fantasmas e anjos do autor João Elias veio paras na minha estante. ♥

Mas antes de dizer o que eu achei exatamente da obra, vamos a story-line:
“O livro conta a história de Michel um garotinho do interior, que parte em busca de desvendar os mistérios que o rodeiam. De repente Michel, com poucos 10 anos, vê-se avizinhado do horror: um monstro passou a morar ao lado do seu aposento. Além disso, enfrentou outros desafetos. Entretanto, o destino foi mais cruel à monstruosidade do que o monstro com ele, seu momento mais aterrador.” 

Veja bem, não quero fazer uma critica negativa, mas não quero deixar de ser sincera com os leitores aqui do blog. E isso significa que temos um problema aqui. Oh céus, então escolhi ser sincera, apesar de tudo. ♥

Então, lá vai... Eu preciso muito dizer que esse livro tinha tudo para ser incrível e infelizmente não foi, pelo menos pra mim. Uma aventura, um mistério, um personagem (quase) cativante. Mas, confesso que me senti um pouco enganada várias vezes durante a leitura. Porque de alguma forma a ideia da história em si era muito boa, mas na hora de passar para o papel, não foi tão legal assim.


Quero deixar claro que um ponto super positivo sobre o livro foi a criatividade do autor ao criar todos esses personagens que agitam o mundo de Michel. Porém, a construção desses personagens e enredo não fez juiz ao talento imaginativo.


Em todo o tempo de leitura que tive desse livro, eu me senti lendo e não acreditando em uma só palavra que estava sendo dita, quase sem absorção. E isso aconteceu porque existe um problema ao decorrer do livro inteiro que me fez sentir incomodada e me deixou bem insatisfeita. Estou falando sobre o autor utilizar apenas do recurso de contar uma história e não mostrar a história, pode não parecer mas existe uma grande diferença entre essas duas coisas.

Acabou que eu me senti bem desconectada com o livro, não tive uma ligação entre leitor e narrador, e acabei sentindo falta de estar envolvida. E mesmo sendo um livro bem curtinho - tem apenas 134 páginas - demorei um tempão pra terminar de ler. 


Eu não li outras obras do autor, na verdade esse livro foi o meu primeiro contato com o João Elias e não sei se todos os outros livros dele também são nesse mesmo estilo. Talvez futuramente eu dê mais uma chance, mas esse em questão me deixou um tanto frustradinha, poxa!

Mas eu acho válido cada um tirar suas próprias conclusões.
E se não deu certo pra mim não significa que não possa dar certo contigo, né non?
Então se você quiser saber mais sobre o livro,
é só entrar no site da editora Selo Jovem clicando no link e procurar por ele. ♥

4 comentários:

  1. Que pena que você não gostou tanto assim... Só de olhar para o livro, já tive vontade de ler e, não vou negar, fiquei ainda mais curiosa para lê-lo. Afinal, como saberei se também ficarei frustada, né?
    Amei sua resenha, as fotos e o blog como um todo <3 Tudo muito fofo e aconchegante!

    xoxo
    https://foradocontextoo.blogspot.com.br/2017/03/resenha-heart-of-betrayal-mary-e-pearson.html

    ResponderExcluir
  2. É bem válido que cada um tire suas próprias conclusões, mas não fiquei com vontade nenhuma de ler o livro. Isso de me conectar com o personagem é bem importante pra mim e se teve esse problema (ainda mais que era o personagem principal) eu com certeza ia ficar enrolando um monte pra ler.
    Essas 134 páginas iam demorar séculos para passar.
    Eu comecei a resenha pensando que possivelmente esse seria o livro que me colocaria no mundo dos livros de mistério, mas acho que não vai rolar não. Você tem alguma dica melhor?

    Beijos,
    Bi.

    - http://www.naogostodeunicornios.com

    ResponderExcluir
  3. Só pelo título e pela capa, pensei que seria um livro pelo qual eu iria me apaixonar, já que também gosto muito desse tipo de história. Mas, é uma peninha que o autor não tenha tido sucesso em passar essa história pro papel. Já passei por esse tipo de desconforto com alguns livros que li e é péssimo mesmo...
    Ainda mais por saber que a ideia era ótima!
    Beijos!
    Colorindo Nuvens

    ResponderExcluir
  4. A capa e o título são muito interessantes... e pelo que você disse, a ideia do livro também, né?
    Talvez seja o caso de um escritor novato, sabe? Que tem uma boa ideia, tem o conceito, mas ainda falta a prática para criar o roteiro e detalhar os personagens.... quem sabe?

    Beijos,
    Andréia Campos
    http://petitandy.com

    ResponderExcluir

© SEIS MIL MILHAS - 2014. ♥ Todos os direitos reservados.
Criado por: SARAH LYNN. ♥ Tecnologia do Blogger.